Nutrição

 Nutrição

Otorrinolaringologia

Otorrino

Odontologia

Odonto

Nutrição

Como alergias às outras substâncias, a alergia aos alimentos é uma reação onde o sistema imunitário identifica uma proteína ingerida como sendo perigosa, respondendo com uma reação de hipersensibilidade, ou seja, uma reação excessiva a um agente estranho ao organismo. Dessa reação, uma das consequências mais comum é a produção de muco, típica das rinites.

Das 250 milhões de pessoas sofrendo com alergias alimentares, as crianças são as mais afetadas. De acordo com a Associação Mundial de Alergia, a sensibilidade a alimentos não é uma doença simples e está crescendo em complexidade.

Assim, listamos abaixo os alimentos mais comuns relacionados a Rinite Alérgica.

Clique aqui e confira nossas dicas.

Aditivos alimentares

Aditivos Alimentares

Corantes, conservantes, tais como sorbato, benzoatos, sulfitos, nitratos e propionatos, anti-oxidantes sintéticos, realçadores de sabor e glutamato monossódico e sabores artificiais são substâncias relacionadas às reações alérgicas. Devido à dificuldade para o consumidor em identificar essas substâncias nos rótulos, a melhor sugestão é optar por alimentos mais naturais.

Chocolate

Chocolate

Os sintomas da reação ao chocolate podem variar de leves a graves, de prurido (coceira) à falta de ar. Normalmente, a alergia não é devido ao cacau, mas aos aditivos adicionados no processo de sua fabricação. 

Milho

Milho

A reação ao milho é pouco comum, mas quando existe pode ser grave, com falta de ar. O milho é um dos alimentos que mais sofrem modificações genéticas, o que, nem sempre, vem rotulado nas embalagens. Não existem pesquisas suficientes relacionadas a alimentos geneticamente modificados e suas consequências em humanos a longo prazo, mas algumas já apontam para alguns tipos de câncer em animais. É importante conhecer alguns derivados da proteína do milho como a dextrina, que pode ser encontrada em dextranos, maltodextrina, amido, xarope de milho, extrato de malte e amidos vegetais.

Tomates

Tomates

É um dos alimentos mais afetados pelo uso de agrotóxicos na agricultura. Ao mesmo tempo é muito utilizado na alimentação diária. Uma vez ultrapassados os valores diários aceitáveis, as consequências serão dores de cabeça, alergias e coceiras. A alergia ao tomate pode ocorre com a ingestão do alimento cru ou processado. Entre os sintomas mais comuns relacionados à rinite alérgica estão a coceira na garganta e a dificuldade de respirar.

Frutos do mar

Frutos do Mar

As barbatanas dos peixes são extremamente alergênicas, podendo até mesmo causar anafilaxias (um tipo de alergia sistêmica grave, de início súbito, que pode ocasionar até mesmo a morte de uma pessoa). O salmão, o atum e o linguado são os tipos mais comuns de peixes com barbatanas.

Aproximadamente 40% das pessoas com alergia a peixes, experimentou a sua primeira reação alérgica na fase adulta.

A alergia a peixes e frutos do mar é comum tanto entre adultos quanto em crianças e geralmente dura toda a vida.

Curiosamente, pessoas que possuem alergia a peixes e crustáceos frequentemente são alérgicas a ácaros e insetos. Acredita-se que estas “reações cruzadas”, como são conhecidas, acontecem devido a semelhança de uma proteína presentes em todos estes grupos, as chamadas tropomiosinas. Ou seja, mesmo uma pessoa que nunca consumiu frutos do mar poderia tornar-se alérgicas a estes através do contato com outras fontes de tropomiosina, como, por exemplo, ácaros e alguns insetos.

Glúten

Glúten

O glúten é uma proteína presente em alimentos como o trigo, a aveia, a cevada, o centeio e o malte. Ele confere elasticidade nas receitas de diversos alimentos, como o pão.

Apesar de atualmente estar relacionado com intolerâncias alimentares e ser considerado um “vilão” da dieta, ele ajuda a controlar a glicemia e os triglicerídeos, aumentam a absorção de vitaminas e minerais, melhoram a flora intestinal e deixam o sistema imunológico mais forte. O segredo está no equilíbrio das porções.

Entre os sintomas mais comuns dos alérgicos ao glúten é a dificuldade de respirar.

Lactose

Lactose

A lactose é uma proteína presente no leite de vaca e derivados, e é um dos maiores responsáveis por reações alérgicas no mundo, principalmente em crianças e o pior momento para introduzir leite de vaca para bebês, no que se diz respeito ao desenvolvimento de alergias, é entre três e cinco meses de vida.

A maioria das crianças que sofrem de RA em decorrência da ingestão do leite de vaca tem pré-disposição genética para outras doenças como a asma e o eczema atópico.

A reação à lactose pode acontecer de forma imediata (horas) ou tardia (de horas a dias) e é sabido que pessoas que tem rinite alérgica e a retiram da dieta apresentam melhora considerável dos sintomas da doença.

Percebe-se extrema melhora nos sintomas da rinite alérgica quando retiramos o leite de vaca da alimentação.

Leguminosas

Leguminosas

A Alergia a leguminosas é mais comum em crianças. As principais espécies responsáveis por reações alérgicas são lentilha, ervilha, amendoim, soja e o tremoço. As reações às leguminosas podem diferenciar-se dependendo do estado dos grãos, se secos ou frescos, devido à proteína albumina.

O cozimento desses grãos modifica a estrutura da proteína e pode reduzir a alergenicidade. No entanto, a resistência térmica, química e desnaturação proteolítica é uma característica comum das leguminosas, ou seja, mesmo quando cozidos, estes alimentos mantêm suas características alergênicas. E, além disso, cozinhar leguminosas não só retém a alergenicidade, como também a aumenta.

Ovos

Ovos

A alergia ao ovo é normalmente considerada uma das causas mais comuns de alergia alimentar em bebés e crianças pequenas. Ao estudar crianças alérgicas ao ovo, foram encontrados anticorpos IgE em mais de 65% das crianças com eczema e sintomas do trato respiratório.

Os anticorpos IgE específicos da clara do ovo podem prever o desenvolvimento de alergia respiratória atópica. Num estudo de acompanhamento de bebes que apresentavam alergia à clara do ovo, foi avaliado mais probabilidades de desenvolver alergia a inalantes até aos 7 anos de idade. Outros estudos apresentaram resultados semelhantes.

A clara do ovo é muitas vezes responsável pelo desenvolvimento precoce da urticária e eczema durante a primeira infância.

Alimentação na terceira idade

Alimentação Saudável na Terceira Idade

Dra. Maytê Scogna Theophilo, Nuticionista

Terceira idade?

OMS:
Países desenvolvidos –65 anos
Países em desenvolvimento –60 anos

Planos de saúde: 54 anos

IBGE em 2025 –14%

Como você se sente?

Como manter a saúde na terceira idade?

- Não fume
- Não beba excessivamente
- Evite exposição solar sem proteção
Pratique atividades físicas: caminhada, hidroginástica, alongamentos, Yoga, Pilates
- Aumente as atividades intelectuais: cursos, leitura
Mantenha o sono adequado
- Pratique atividades de lazer: passeie, viaje, dance
- Conviva com amigos e familiares
- Mantenha uma alimentação balanceada: "Que o teu alimento seja o teu remédio e que o teu remédio seja o teu alimento." (Hipócrates)

Saúde: completo bem estar físico, social e emocional (OMS - Organização Mundial da Saúde

Carboidratos

- Pães
- Arroz
- Macarrão
- Biscoitos
- Tapioca
- Tubérculos: batata, cenoura, beterraba

Proteínas

- Carne vermelha: boi, porco
- Carne branca: frango, peixe
- Laticínios: leite, queijos, ovos
- Leguminosas: feijão, lentilha, grão de bico

Gorduras

- Azeite extra virgem (Acidez < 0,5)
- Oleaginosas
- Abacate

- Óleos

Complicações da terceira idade

- Hipertensão arterial
- Diabetes II
- Dislipidemias
- Artrose
- Osteoporose
- Obstipação intestinal
- Ansiedade
- Depressão

Receitas

Limonada com erva cidreira:
- Suco puro de 2 limões
- Erva cidreira fresca a gosto
- 1 Litro de água

Suco calmante:
- Polpa de ½ maracujá
- 1 fatia de abacaxi
- 1 folha de alface
- 500ml de água

 

Como reduzir o consumo de sódio nos alimentos

 

Reduzir o consumo de sódio é importante, não apenas para pessoas com problemas cardiovasculares, mas também para a manutenção da saúde. O sódio em excesso aumenta a retenção de líquido prejudicando não apenas o coração como os rins, fígado, aumento da ansiedade, entre outros.

Mas o sal de cozinha não é o maior vilão neste caso. Hoje o consumo de temperos industrializados, aqueles com sabor de galinha, costela, bacon, para colocar no arroz ou no feijão, possuem uma quantidade muito maior de sódio.

Então aqui vai uma receitinha para você excluir esses temperos que, além de serem um veneno para a saúde, são muito mais caros do que os naturais.

Ingredientes:
1 colher (sopa) de alecrim desidratado
1 colher (sopa) de salsinha desidratada
1 colher (sopa) de manjericão desidratado
1 colher (sopa) de orégano desidratado
1/2 xícara (chá) de sal sora ou marinho

Modo de preparo:
Adicione todos os ingredientes no liquidificador ou mixer e bata até que fiquem misturas e mais finos. Conserve em um recipiente de vidro tampado. Validade de 20 dias depois do preparo. Pode utilizar outras variedades de ervas desidratadas.

Como manter uma alimentação equilibrada e com saúde

Iniciar as refeições de preferência, com uma salada crua (tomate, alface, repolho, agrião, pepino);
Preferir preparações cozidas, assadas ou grelhadas;
Não substituir as refeições principais por lanches rápidos;
Diminuir o volume das refeições 05 a 06 vezes por dia a alimentação;
Mastigar bem os alimentos (15 vezes por porção);
Fazer uso moderado de óleos vegetais (soja, oliva, milho, canola, girassol) nas preparações;
Evitar ingerir líquidos em excesso durante as refeições principais (almoço e jantar);
Ingerir quantidade adequada de líquidos, em média 08 a 10 copos/dia de 200 ml de água entre as refeições (30 min antes e 1 hora após);
Estabelecer e respeitar os horários das refeições;

EVITAR
Jejuns forçados, pular as refeições;
Bebidas alcoólicas e refrigerantes;
Cozinhar com fome, comer assistindo tevê;
Alimentos de alto valor calórico, como: biscoitos recheados, macarrão, pizza, bombons, doces, salgadinhos;
Alimentos excessivamente gordurosos, tipo: sarapatel, feijoada, mocotó, dobradinha;
Carnes salgadas e defumadas;
Açúcar, mel, rapadura, melaço;
Embutidos, como: salame, presunto, salsicha, calabresa;
Enlatados, como: sardinha, patê, quitute;
Condimentos, tipo: maionese, catchup, mostarda, pimenta-do-reino e molhos concentrados em sal;
Frituras;
Dietas “milagrosas”;
Uso de medicação sem orientação.

Diabetes

Diabetes Mellitus é uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue. Pode ocorrer devido a defeitos na secreção ou na ação do hormônio insulina, que é produzido no pâncreas.

A função principal da insulina é promover a entrada de glicose para as células do organismo de forma que ela possa ser aproveitada para as diversas atividades celulares. A falta da insulina ou um defeito na sua ação resulta, portanto em acúmulo de glicose no sangue, o que chamamos de hiperglicemia.

Todo carboidrato ingerido será transformado em açúcar pelo organismo para fornecer ATP (energia) para todas as células do corpo.

Podemos entender como carboidrato:
- Tubérculos;
- Frutas;
- Farináceos;
- Hortaliças;
- Derivados do leite.

RECOMENDAÇÕES PARA DIABETES

Preferir:

- Alimentos ricos em fibras (pão, arroz, biscoitos integrais, inhame, aipim, leguminosas);
- 3 porções de frutas/dia: 1 porção = 1 banana ou 1 maçã ou 1 cacho pequeno de uvas ou ½ manga ou 1 colher de sopa de abacate;
- Leite/iogurte/coalhada desnatada, queijos minas, ricota e cottage (para não extrapolar a cota de gordura saturada permitida);
- 2 col. sopa farelo de aveia (absorção de glicemia e colesterol);
- Azeite de oliva extra virgem (fonte de antioxidantes e ácido graxo monoinsaturado), óleo de canola;
- Alternar peixes gordos: sardinha, atum, salmão, cavala (fonte de ômega-3) com peito de frango e carne bovina magra (coxão-duro e patinho);
- Até um ovo por dia (cozido, pochê ou mexido no leite desnatado);
- Adoçantes artificiais alternados as marcas permitidas (aspartame, sucralose, steviosídeo e acesulfame K);
- Associar na mesma refeição alimentos com baixo e médio índice glicêmico (vide tabela a seguir);
- Alimentos dietéticos até três vezes por semana (refrigerantes, doces, bolos, chocolates, balas = máximo de quatro unidades/dia);
- Saladas cruas (folhosos) á vontade;
- Fracionamento da dieta em seis refeições/dia ou intervalo de 3-3 horas (refeições pouco volumosas e com fonte de proteína antes de dormir para evitar hipoglicemia á noite);
- Em caso de hipoglicemia: 15g de carboidratos (1/2 xícara de suco de laranja, uva ou maçã; ou 1 copo de leite; ou 3 cream crackers; ou 1 colher de sopa de mel ou açúcar).

Evitar:

- Gordura saturada (pele de aves, carnes gordas bovina e suína, leite de coco, creme de leite, bacon, manteiga, toucinho, leite integral, azeite-de-dendê);
- Açúcares (sacarose, mel, melado, rapadura, sorvetes, gelatinas, frutas cristalizadas, geleias, doces de corte);
- Adoçantes á base de frutose, sorbitol e manitol (contribuem para as complicações crônicas do diabetes);
- Cereais refinados (arroz, pão, biscoito, bolo e preparações feitas com farinha de trigo refinada);
- Mistura de arroz, pão, macarrão, batata na mesma refeição;
- Refrigerantes, sucos prontos e artificiais;
- Pão doce, biscoito recheado, chocolate;
- Frituras;
- Bebidas alcoólicas;
- Jejum prolongado ou excesso de alimentação. 

Índice Glicêmico (IG) dos alimentos

 Alto IG

 Intermediário IG

 Baixo IG

 Pão branco

 Biscoito água e sal

 Maçã

 Biscoitos doces

 Arroz polido

 Laranja

 Cereais matinais

 Farinha de trigo

 Pêssego

 Batatas

 Batata-doce

 Pêra

 Flocos de milho

 Inhame

 Ameixa

 Cenoura

 Banana

 Massa c/ovo

 Beterraba

 Manga

 Arroz integral

 Uva passa

 Mamão papaia

 Feijão, lentilha, soja,  ervilha

 Abóbora

 Kiwi

 Oleaginosas

 

 Suco de laranja

 Chocolate dietético

 Glicose > 90mg

 Glicose 70-90mg

 Glicose <70 mg


Sintomas da hipoglicemia:
fome, tremor, suor, ansiedade, pulso rápido, visão turva, palidez, alteração do humor, falta de concentração.

Sintomas da hiperglicemia: cansaço, visão turva, sede, idas frequentes ao banheiro para urinar, perda de peso.

Otorrinolaringologia

A Otorrinolaringologia é uma especialidade médica, clínica e cirúrgica, responsável pelo diagnóstico e tratamento das doenças da cabeça e do pescoço, especialmente, ouvido (oto), nariz (rhino) e garganta (laringo).

A Otorrinolaringologia (ou para abreviar, “otorrino”) cuida de algumas das funções e sentidos do corpo humano mais importantes para uma vida saudável: o olfato, a fala, a respiração, a audição e o equilíbrio.

Em Medicina, tão importante quanto tratar doenças é preveni-las e essa especialidade é fértil em medidas simples que podem promover mais saúde ao seu nariz, ouvidos e garganta.

Clique aqui e confira nossas dicas.

Cerúmen

Cera do Ouvido (Cerúmen)

O cerúmen do ouvido é produzido, tanto por humanos quanto por animais, no conduto auditivo, que está localizado na orelha externa. 

Ele é necessário aos nossos ouvidos por ser uma barreira de proteção, mecânica e química, do conduto auditivo externo o qual é uma estrutura exposta ao meio ambiente.

Ele é produzido por glândulas sebáceas do conduto, constantemente, da parte mais interna para o exterior. Este é o motivo pelo qual não há necessidade de limpeza diária do mesmo. Após o banho, basta secar com a toalha.

O cerúmen é formado por queratina (descamação da pele do conduto e gordura (ácidos graxos). Possui propriedades protetoras, como a presença de anticorpos, impermeabilidade à água e ph ácido. Tem enzimas (lisozima) capaz de destruir bactérias.

Sua consistência pegajosa impede a entrada de corpos estranhos e serve como lubrificante, evitando ressecamento e lesões do conduto. Ao ser produzida, ela é clara e após torna-se escurecida porque sofre oxidação.

Algumas pessoas produzem cerúmen em excesso o que não deve ser visto como uma doença, mas como uma característica da pessoa. Este excesso pode provocar a formação das “rolhas de cera”. Estas também podem acontecer com pessoas que apresentam estreitamento ou tortuosidade do conduto. Nestes casos, uma consulta regular (não há um tempo definido) com o otorrinolaringologista será necessária para limpeza.

O acúmulo de cerúmen pode provocar coceira, diminuição da audição, sensação de “ouvido cheio“, desconforto (não necessariamente dor), zumbido e até tontura.

A remoção do cerúmen poderá ser feita pelo otorrinolaringologista com água ou com o uso de instrumento delicado chamado cureta, sendo esta última sendo realizada quando o cerúmen está endurecido e o paciente não fez uso de ceratolítico (medicamento que “amolece “ o cerúmen).

Evitar o uso de hastes de algodão dentro do conduto é a melhor forma de manter a boa saúde da sua orelha externa.

Para aqueles que fazem uso de aparelhos auditivos, uso de EPI (equipamento de proteção individual), fones de ouvidos intra-articulares diariamente, a remoção do cerúmen poderá ser necessária mais frequentemente.

Eu tenho zumbido!

Eis que um dia você começa a perceber um barulho no ouvido. Procura observar se é do meio ambiente e constata que está no seu ouvido! O que fazer?

Primeiro passo é procurar um especialista Otorrinolaringologista!

O zumbido, que é a percepção de um som dentro da orelha ou da cabeça na ausência de estimulação acústica externa, pode ter diferentes características e causas.

A ideia de que o zumbido não tem tratamento nem sempre é verdade. Por isso a necessidade da avaliação do especialista que irá investigar as causas e procurar um tratamento que possa eliminá-lo ou amenizá-lo.

Diferente do que se pensa, o zumbido pode afetar idosos ou crianças e não está apenas relacionado com perda de audição. Estatísticas mostram que 24% população mundial tem zumbido.

Antes de qualquer tratamento é preciso que o paciente acometido pelo zumbido seja esclarecido e tenha pleno entendimento de como e quais consequências que este fenômeno desagradável pode ocasionar. “Não se pode tratar o que não se conhece”!

O paciente que percebe inicialmente o zumbido não deverá ignorá-lo, ou fazer uso de medicações ou seguir orientações caseiras.

O zumbido tem várias causas e o que serve para uma poderá não ser benéfico para outra, não fazer efeito ou piorá-la!

Uma curiosidade: você sabia que Jean Jacques Rousseau, Gaya, Eric Clapton, Barbara Streisand, Thomas Edison, Charles Darwin, Oscar Wilde, Beethoven e Vincent Van Gogh sofreram de zumbido?

Bethoven declarou: ”minhas orelhas assobiam constantemente de dia e de noite. Eu posso dizer que estou vivendo uma vida miserável”.

E especula-se que Van Gogh teria costurado sua orelha por não aguentar mais seu zumbido.

Odontologia

O profissional de Odontologia é responsável pela saúde bucal das pessoas. Atua na prevenção, diagnóstico e tratamento de problemas relacionados à mordida, gengiva e dentes.

O dentista realiza tratamentos estéticos e também intervenções relacionadas à saúde bucal. Ele está apto a identificar doenças através de exames clínicos, radiográficos e laboratoriais.

A partir do diagnóstico, podemos propor o tratamento mais adequado e receitar medicamentos.

 

Clique aqui e confira nossas dicas.

Odontopedatria

A odontopediatria é o ramo da odontologia que cuida da saúde bucal das crianças, são os responsáveis pela higiene não só das crianças que já tem dentinhos, mas também dos bebês e das gestantes.

Aliás, as mães devem procurar esses profissionais ainda durante a gravidez, para se informar sobre os cuidados que devem ter a partir do nascimento. Com seis meses de vida começam a aparecer os primeiros dentinhos do bebê. E é também nesse momento que deve acontecer a primeira visita ao dentista.

Se a primeira consulta do bebê acontecer logo que aparecer o primeiro dentinho, os pais podem ser orientados a acompanhar a erupção dos outros dentes e assim, possivelmente, a criança nunca terá uma cárie.

Ortodontia

Ortodontia é a especialidade da Odontologia relacionada ao estudo, prevenção e tratamento dos problemas de crescimento, desenvolvimento e amadurecimento da face, dos arcos dentários e da oclusão.

Corrige a posição dos dentes e dos ossos maxilares posicionados de forma inadequada. Dentes tortos ou dentes que não se encaixam corretamente são difíceis de serem mantidos limpos, podendo ser perdidos precocemente, devido à deterioração e à doença periodontal.

Também causam um estresse adicional aos músculos de mastigação que pode levar a dores de cabeça, síndrome da ATM e dores na região do pescoço, dos ombros e das costas. Os dentes tortos ou mal posicionados também prejudicam a sua aparência.

O tratamento ortodôntico torna a boca mais saudável, proporciona uma aparência mais agradável e dentes com possibilidade de durar a vida toda.

Existem três tipos básicos de ortodontia quando classificamos quanto o momento da abordagem, a ortodontia preventiva, a interceptativa e a corretiva.

Odontologia do Trabalho

Odontologia do Trabalho é a especialidade que tem como objetivo a busca permanente da compatibilidade entre a atividade laboral e a preservação da saúde bucal do trabalhador, visa prevenir e diagnosticar doenças do complexo bucomaxilofacial, provocadas pela atividade laboral, e a evitar acidente de trabalho por causas odontológicas, contribuindo assim para a saúde integral do trabalhador.

Pode ser conceituada como sendo os conhecimentos de odontologia aplicados à atenção em saúde do trabalhador nos aspectos de promoção, preservação, recuperação e a reabilitação da saúde de trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho.

Importância da Odontologia nos Serviços de Saúde Ocupacional

A dor de origem dental e facial pode gerar consequências psicológicas e sociais nos indivíduos, como irritação, preocupação, distúrbios do sono, além dos efeitos colaterais de medicações, esses fatores podem gerar implicações diretas na atividade laboral, tais como queda de produtividade, desatenção, ausência do trabalho pela necessidade de buscar tratamento ou para recuperação.

Dicas para combater o mau hálito

A maior parte das bactérias fica instalada na parte de cima da língua. Por isso, sempre que escovar os dentes, lembre-se de escovar também a língua. Essas bactérias com o tempo provocam halitose (mau hálito). Em situações de emergência, para limpar a língua, é possível passar gaze enrolada nos dedos ou mesmo algodão.

A maça é uma boa opção. Fácil de encontrar, ajuda na limpeza dos dentes, pois age como adstringente e tem poucas calorias, assim como a melancia que tem pouca fibra e bastante água, o que, em uma emergência, ajuda a limpar os dentes. Com o melão acontece o mesmo.

Evite comer doces, pois isso vai provocar acidez, colaborar com mau hálito, e além da desagradável possibilidade de ficar restos de doces aderidos aos dentes.

Ingira pelo menos 2 litros de água por dia.

Caso o problema de halitose não melhore, procure um dentista para iniciar tratamento.