Alimentos Alérgenos

Como alergias às outras substâncias, a alergia aos alimentos é uma reação onde o sistema imunitário identifica uma proteína ingerida como sendo perigosa, respondendo com uma reação de hipersensibilidade, ou seja, uma reação excessiva a um agente estranho ao organismo. Dessa reação, uma das consequências mais comum é a produção de muco, típica das rinites.

Das 250 milhões de pessoas sofrendo com alergias alimentares, as crianças são as mais afetadas. De acordo com a Associação Mundial de Alergia, a sensibilidade a alimentos não é uma doença simples e está crescendo em complexidade.

Assim, listamos abaixo os alimentos mais comuns relacionados a Rinite Alérgica.

Aditivos Alimentares

Corantes, conservantes, tais como sorbato, benzoatos, sulfitos, nitratos e propionatos, anti-oxidantes sintéticos, realçadores de sabor e glutamato monossódico e sabores artificiais são substâncias relacionadas às reações alérgicas. Devido à dificuldade para o consumidor em identificar essas substâncias nos rótulos, a melhor sugestão é optar por alimentos mais naturais.

Chocolate

Os sintomas da reação ao chocolate podem variar de leves a graves, de prurido (coceira) à falta de ar. Normalmente, a alergia não é devido ao cacau, mas aos aditivos adicionados no processo de sua fabricação.

Milho

A reação ao milho é pouco comum, mas quando existe pode ser grave, com falta de ar. O milho é um dos alimentos que mais sofrem modificações genéticas, o que, nem sempre, vem rotulado nas embalagens. Não existem pesquisas suficientes relacionadas a alimentos geneticamente modificados e suas consequências em humanos a longo prazo, mas algumas já apontam para alguns tipos de câncer em animais. É importante conhecer alguns derivados da proteína do milho como a dextrina, que pode ser encontrada em dextranos, maltodextrina, amido, xarope de milho, extrato de malte e amidos vegetais.

Tomates

É um dos alimentos mais afetados pelo uso de agrotóxicos na agricultura. Ao mesmo tempo é muito utilizado na alimentação diária. Uma vez ultrapassados os valores diários aceitáveis, as consequências serão dores de cabeça, alergias e coceiras. A alergia ao tomate pode ocorre com a ingestão do alimento cru ou processado. Entre os sintomas mais comuns relacionados à rinite alérgica estão a coceira na garganta e a dificuldade de respirar.

 

Frutos do Mar

As barbatanas dos peixes são extremamente alergênicas, podendo até mesmo causar anafilaxias (um tipo de alergia sistêmica grave, de início súbito, que pode ocasionar até mesmo a morte de uma pessoa). O salmão, o atum e o linguado são os tipos mais comuns de peixes com barbatanas.
Aproximadamente 40% das pessoas com alergia a peixes, experimentou a sua primeira reação alérgica na fase adulta.
A alergia a peixes e frutos do mar é comum tanto entre adultos quanto em crianças e geralmente dura toda a vida.
Curiosamente, pessoas que possuem alergia a peixes e crustáceos frequentemente são alérgicas a ácaros e insetos. Acredita-se que estas “reações cruzadas”, como são conhecidas, acontecem devido a semelhança de uma proteína presentes em todos estes grupos, as chamadas tropomiosinas. Ou seja, mesmo uma pessoa que nunca consumiu frutos do mar poderia tornar-se alérgicas a estes através do contato com outras fontes de tropomiosina, como, por exemplo, ácaros e alguns insetos.

Glúten

O glúten é uma proteína presente em alimentos como o trigo, a aveia, a cevada, o centeio e o malte. Ele confere elasticidade nas receitas de diversos alimentos, como o pão.
Apesar de atualmente estar relacionado com intolerâncias alimentares e ser considerado um “vilão” da dieta, ele ajuda a controlar a glicemia e os triglicerídeos, aumentam a absorção de vitaminas e minerais, melhoram a flora intestinal e deixam o sistema imunológico mais forte. O segredo está no equilíbrio das porções.
Entre os sintomas mais comuns dos alérgicos ao glúten é a dificuldade de respirar.

Lactose

A lactose é uma proteína presente no leite de vaca e derivados, e é um dos maiores responsáveis por reações alérgicas no mundo, principalmente em crianças e o pior momento para introduzir leite de vaca para bebês, no que se diz respeito ao desenvolvimento de alergias, é entre três e cinco meses de vida.
A maioria das crianças que sofrem de RA em decorrência da ingestão do leite de vaca tem pré-disposição genética para outras doenças como a asma e o eczema atópico.
A reação à lactose pode acontecer de forma imediata (horas) ou tardia (de horas a dias) e é sabido que pessoas que tem rinite alérgica e a retiram da dieta apresentam melhora considerável dos sintomas da doença.
Percebe-se extrema melhora nos sintomas da rinite alérgica quando retiramos o leite de vaca da alimentação.

Leguminosas

A Alergia a leguminosas é mais comum em crianças. As principais espécies responsáveis por reações alérgicas são lentilha, ervilha, amendoim, soja e o tremoço. As reações às leguminosas podem diferenciar-se dependendo do estado dos grãos, se secos ou frescos, devido à proteína albumina.
O cozimento desses grãos modifica a estrutura da proteína e pode reduzir a alergenicidade. No entanto, a resistência térmica, química e desnaturação proteolítica é uma característica comum das leguminosas, ou seja, mesmo quando cozidos, estes alimentos mantêm suas características alergênicas. E, além disso, cozinhar leguminosas não só retém a alergenicidade, como também a aumenta.

Ovos

A alergia ao ovo é normalmente considerada uma das causas mais comuns de alergia alimentar em bebés e crianças pequenas. Ao estudar crianças alérgicas ao ovo, foram encontrados anticorpos IgE em mais de 65% das crianças com eczema e sintomas do trato respiratório.
Os anticorpos IgE específicos da clara do ovo podem prever o desenvolvimento de alergia respiratória atópica. Num estudo de acompanhamento de bebes que apresentavam alergia à clara do ovo, foi avaliado mais probabilidades de desenvolver alergia a inalantes até aos 7 anos de idade. Outros estudos apresentaram resultados semelhantes.
A clara do ovo é muitas vezes responsável pelo desenvolvimento precoce da urticária e eczema durante a primeira infância.

Parcerias com empresas da região em consultas e exames